A+ A-

Notícias

terça-feira, 15 de maio de 2018

FIEB sedia edição Salvador do Evento ACV de A a Z

Com o objetivo de sensibilizar técnicos e gestores do setor empresarial e público para o Pensamento do Ciclo de Vida, como uma proposta de abordagem da sustentabilidade de produtos e serviços nas suas diferentes perspectivas, foi realizado, entre os dias 08 e 10 de maio, na FIEB, o Evento de ACV de A a Z – Edição Salvador.

O fórum foi uma atividade do Projeto intitulado "Desenvolvimento de capacidades e compartilhamento de conhecimento por meio de eventos de rede no campo da Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) no Brasil", tendo como responsável pelo projeto na Bahia a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), justificando-se como uma forma de fortalecer as ações de influência da indústria junto ao governo no que tange o posicionamento acerca da temática.

De acordo com o presidente de Conselho de Sustentabilidade da FIEB, Jorge Cajazeira, “a incorporação do pensamento de ciclo de vida na estratégia empresarial é de grande importância e deve ser incentivada, assim como a cooperação entre a academia e o setor industrial, na ampliação da base científica de conhecimento e para a condução de estudos de ACV (Avaliação de Ciclo de Vida), bem como a capacitação de profissionais”.

2.jpg

Fotos: Divulgação

Jorge Cajazeira moderou o Painel “Os desafios do setor empresarial para a implantação da ACV”, que contou com o representante da CNI, Mario Cardoso.

 

Entendendo o impacto positivo que o estudo sobre ACV pode ter na sustentabilidade do negócio, a FIEB, por meio da SDI/GMARS – Gerência de Meio Ambiente e Responsabilidade Social, integra a Rede de Produção e Consumo Sustentável da CNI e vem acompanhando as discussões sobre a abordagem do Pensamento do Ciclo de Vida e os desafios do setor empresarial para a implantação da ACV.

 

Do ponto de vista do setor empresarial, é importante que haja um ambiente de confiança em que seja possível ter acesso de forma objetiva aos critérios, parâmetros e indicadores de sustentabilidade que possam ser incorporados pela indústria com viabilidade econômica. Desta forma, será possível se preparar e investir em melhorias de processos produtivos, considerando a sustentabilidade no planejamento organizacional.