A+ A-

Notícias

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Olimpíada de Robótica reúne apaixonados por tecnologia na Campus Party


Evento reúne competidores de várias idades e de todo o estado na Arena Fonte Nova

 

Competições na OBR têm a participação de estudantes de 35 escolas de 12 cidades baianas Foto: Gilberto Júnior/Coperphoto/Sisteam FIEB

Começaram nesta quinta-feira, 10 de agosto, as disputas da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), que está sendo realizada durante a Campus Party – Edição Bahia, na Arena Fonte Nova, sob a coordenação do SESI Bahia. Participam 435 competidores de escolas de ensino fundamental, médio e técnico, somando 114 equipes da Bahia. As disputas de robôs prosseguem até sábado, 12.8, com a premiação das equipes que irão para a etapa nacional da competição.


Para o representante estadual da OBR e coordenador de Robótica Educacional do Serviço Social da Indústria (SESI Bahia), professor Fernando Didier Andrade, o SESI, que por meio de sua rede de educação é um incentivador da a robótica educacional na Bahia e não poderia ficar de fora da Campus Party. “Estamos em um evento de tecnologia e o SESI entende que o ambiente de aprendizado tem que ser dinâmico, tecnológico, moderno, não poderia estar de fora e organizando a Olimpíada Brasileira de Robótica na Bahia, “destaca.


Fernando Didier ressaltou a experiência enriquecedora para as mais de 435 crianças e jovens que participam da competição de poderem fazer parte deste ambiente de construção da tecnologia na prática. As disputas de robôs vão acontecer em dois níveis, o primeiro somente com estudantes do ensino fundamental e o outro com os do ensino médio e de escolas técnicas, bem como equipes independentes que gostam de robótica. Todos os competidores têm que programar e construir o próprio robô para que ele cumpra missões de resgate.


O SESI Bahia, que há 11 anos adota a robótica educacional nas suas escolas, participa da OBR com equipes das escolas do SESI Itapagipe, Retiro e Luís Eduardo Magalhães. Ao todo, são 35 escolas de 12 cidaes baianas.


INTERCÂMBIO
O coordenador nacional da OBR no Brasil, Rafael Arouca, esteve presente à abertura da Olimpíada e destacou a importância do apoio do SESI na realização do evento, que trouxe várias inovações na infraestrutura da competição – novas mesas de competição e leiaute - que ele pretende replicar nacionalmente. Mas o mais importante destacado por ele é a experiência dos participantes. “A OBR é uma olimpíada científica e os estudantes estão tendo uma oportunidade muito legal, já que mistura escolas públicas e particulares, cursos técnicos, proporcionando um momento de troca de conhecimento e experiências em robótica entre eles”.


Arouca lembrou que o evento valoriza a nova cultura maker, que estimula o uso de novas tecnologias para a construção de robôs, valorizando o improviso e a criatividade. “Outra coisa muito positiva é o feedback dos alunos de que a participação no evento abre os horizontes e os ajuda a pensar na carreira, além de ser uma oportunidade de conhecer mais tecnologia e resolver problemas com programação, já que os robôs são autônomos”, acrescentou.


EXPERIÊNCIAS
O estudante da Escola José Cardoso de Lima, do município de Luís Eduardo Magalhães, John Lucas Alves da Silva, de 14 anos, estava empolgado de poder realizar sua primeira viagem a Salvador e participando da OBR, na Campus Party. “A algum tempo atrás a gente não imaginava que iria construir um robô. Agora, a gente não só construiu um robô, como viemos para um evento de tecnologia. Está sendo ótimo”, conta João Lucas.

 

John Silva (D), que veio do oeste da Bahia,  comemorou a participação na OBR com sua equipe  Foto: Gilberto Júnior/Coperphoto/Sisteam FIEB


Ele contou com o apoio do SESI para participar da competição, que cedeu um kit de robótica educacional para que eles conseguissem fazer parte da competição. “Ajudou muito, porque seria impossível a gente fazer o robô com o material que a gente tinha. O mais interessante é que a gente teve que aprender sozinhos a montar o robô, pois até nosso professor não conhecia o kit mais novo e, em 2 meses, conseguimos estar prontos e estar aqui”, arremata John.


Para Gustavo Vinícius de Almeida Ribeiro, 14, da Equipe Invictus, da Escola SESI Itapagipe, a experiência de participar da Campus Party estava sendo maravilhosa.  “Já participei de torneios de robótica e o interessante aqui é que tem uma grande diversidade”, citando a oportunidade de poder conhecer de perto a tecnologia de criação de games.

 

Equipe Invictus, do SESIU Itapagipe participa da competição Foto: Gilberto Júnior/Coperphoto/Sistema FIEB

 

Confira mais fotos da OBR ,a Campus Party no Flickr.
 

 

Leia também: Sistema FIEB leva inovação e tecnologia à Campus Party